• A dor do crescimento

      Por que o sucesso no mundo empresarial chega uns e não para outros?

      Por Edson Sá

      Se você tem um negócio próprio ou está planejando abrir um em breve, muito provavelmente já passou ou vai passar por essa situação:

      As coisas começam simples, você faz todo o trabalho, controla os processos, cuida das vendas e controla o dinheiro, que é pouco mas acaba cobrindo as dívidas no fim do mês. Mais clientes vão chegando, as vendas aumentam, você amplia o estoque (ou oferece mais serviços), o trabalho também aumenta, e você acaba contratando um ou dois funcionários para ajudar. O que parece bom se torna ainda melhor, sua marca se torna conhecida, as pessoas começam a falar bem da empresa, os números alcançam os três dígitos, a equipe, agora com vários funcionários, não dá conta do trabalho, as reclamações começam a chegar, os custos e despesas sobem na mesma proporção da receita, você não tem tempo para mais nada a não ser a empresa, sente que está perdendo o controle de tudo, e aí você diz...

      “Não consigo mais, é impossível empreender nesse país, vou parar! ”

      Acredite, isso é muito comum entre microempresários. Eu chamo essa situação de “a dor do crescimento”.

      Conversando com alguns empresários, pude ver que muitos sofrem desse mal, ainda que as causas sejam diferentes. Uns acreditam que é impossível suportar a burocracia e a carga tributária do país que incide sobre empresas maiores; outros consideram que falta mão de obra qualificada para se contratar; tem os que acham que não podem passar as tarefas para outras pessoas porque vão perder o controle; e tem ainda aqueles que não se acham “merecedores” de ganhar muito dinheiro ou que isso vai tirar sua liberdade – estes últimos, para mim, os que sentem mais dor.

      Em quaisquer dessas ou outras situações, o problema não está na empresa, e sim na pessoa que a conduz. Ok, eu entendo que realmente não vivemos num “mar de rosas” para o empreendedorismo em nosso país, e que a situação parece bem assustadora sobre determinados ângulos, mas se eu te perguntar “você conhece algum empresário que começou bem pequenininho e hoje é dono de uma média empresa de sucesso? ”, provavelmente você me apresente alguns nomes ou casos.

      Isso serve, no mínimo, para te mostrar que crescer dói. Doeu neles, e vai doer em você também. Não é fácil, nunca foi. Criar o próprio negócio e conduzi-lo ao crescimento é algo que demanda muito esforço e até sacrifícios, mas que em quase a totalidade das vezes traz algum tipo de satisfação pessoal que nada substitui.

      Mas tem como doer um pouco menos, e deixa eu te dar umas dicas sobre isso:

      ·         Invista em desenvolvimento gerencial, seu e da sua equipe, o conhecimento é uma arma inigualável;

      ·         Aprenda com quem já passou por esse caminho, escolha seus mentores e ouça-os;

      ·         Lembre-se que empresas são feitas por pessoas e para as pessoas, foque as ações no ser humano;

      ·         Conheça suas forças e respeite seus limites, você só poderá ajudar sua empresa se souber usar as próprias armas.

      E por último, sonhe! E depois que sonhar, traga-os para a vida real, transformando-os em objetivos acompanhados de estratégias para alcança-los. Se você não sabe como fazer isso, olhe ao redor que certamente tem alguém que pode ajudar.

      Afinal, o melhor da dor é quando a superamos.


Fale ConoscoAssunto: A dor do crescimento

  • CresceCoaching e Consultoria Empresarial

    • (82) 98876-3283 Edson WhatsApp
    • (82) 99610-5970 Roberta
    • contato@suaempresacresce.com.br
    • Av. Dr. Antonio Gomes de Barros, 929 - Jatiúca
    • Maceió/AL


Cresce - Maceió/AL
Desenvolvido por 3tags © 2018 - Plataforma iSites.ws
X
Precisa de ajuda?